Sozinha mundo afora

Para mulheres que viajam sozinhas

Diário de bordo da Ilha de Páscoa

DSC03816Ir para a ilha de páscoa não é barato. A ilha é cara. Comida é cara. Passeios são caros.
Mas pode-se ir dando um jeito. Juntar com mais gente e alugar um carro, andar a pé seguindo mapas ou barganhar até a exaustão com taxistas.
Para ter uma idéia, comprei dois pasteis (que lá é chamado de empanadas) e uma coca latinha e paguei coisa de 28 reais. Então, vá preparado para gastar, não tem jeito.

Ilha de páscoa chove.
Nas minhas pesquisas tinha lido que a época das chuvas era maio, por isso escolhi ir em junho e choveu muito. Aliás, eu achei que em São Paulo chovia muito, mas comparado á ilha de páscoa, as chuvas de são Paulo são garoas. Na ilha, os três primeiros dias que eu estive lá, choveu muito! Umas tempestades nervosas que vou te contar. Conversando com um Rapa nui, descobri que a época que mais chove é junho! Sem querer escolhi a época mais chuvosa para conhecer a ilha, azar, ou sorte minha. Dizem que banho de chuva lava a alma e repõem as energias. Imagina banho de chuva num lugar sem nenhuma poluição então, deve até limpar os pecados.

Os rapa Nui, nativos da Ilha de Pascoa, são um capítulo à parte da viagem. Eles adoram a ilha, sentem muito orgulho de sua história, mistérios, rituais e moais. Eles realmente acolhem o visitante e ficam muito felizes quando você fala com eles em Rapa Nui. Iorana (Olá) e Maururu (Obrigado) realmente abre portas, sorrisos e atenção. Um ouvido aberto também faz milagres por lá. Os moais são sem duvida a atração principal, mas os rapa nui ainda vivos são (pelo menos para mim) o motivo de querermos voltar na ilha.

Tive várias impressões da ilha enquanto estive por lá.
Quando decidi viajar, escolhi a ilha por suas histórias de mistério e mágica, e foi isso que eu fui atrás – a magia de ilha, o mistério, o Mana, como diziam os Rapa Nuis, e devo confessar meio que envergonhada que logo de cara, me decepcionei um pouco. Onde estava a mágica? Minha primeira impressão da ilha era que era um lugar excessivamente explorado pelo turismo. Uma busca desenfreada por moais, um tal de corre-tira-foto-corre-de-novo que não parecia ter fim. Mas com o passar dos dias, minha visão do lugar mudou totalmente! Saí de lá maravilhada, feliz e com vontade de voltar.
Nos próximos posts vou tentar explicar por quê.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 15 de junho de 2013 por em Ilha de Pascoa - Chile e marcado , , .
%d blogueiros gostam disto: